sexta-feira, 17 de julho de 2015

Como alterar a fonte padrão do Word 2010

Microsoft Word 2010, como você deve saber, usa a fonte Calibri por padrão em novos documentos. A fonte é muito bem trabalhada e quando impressa, bastante legível. Entretanto, ela não é o padrão descrito pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e outros institutos -- do qual ocuparam o posto com as fontes Times New Roman ou Arial.

Felizmente, há como mudar a fonte padrão do Word 2010 de forma simples e rápida. Se você usa o processador de textos da Microsoft para produção de artigos acadêmicos, não precisará mudar a fonte toda vez que iniciar um novo documento. Basta seguir a dica abaixo.

Passo 1. Localize a caixa de Estilos e clique com o botão direito do mouse sobre “Normal”;

Passo 2. Clique em “Modificar...”;

Passo 3. Em “Formatação”, altere a fonte padrão, o tamanho e outras opções de sua preferência;

Passo 4. Na parte inferior da janela, marque a opção “Novos documentos baseados neste documento”;



Passo 5. Clique em “OK” para concluir.


Pronto! A partir de agora, todos os novos documentos criados estarão automaticamente na fonte e tamanho definidos por você.

OVNI bem detalhado aparece nos céus do Texas

Um vídeo altamente duvidoso mostra um objeto impressionantemente detalhado sobre os EUA. A filmagem, que foi carregado para o YouTube há duas semanas, mostra com extrema clareza uma nave em forma de disco movendo-se no céu perto da fronteira dos EUA com o México.

De acordo com a legenda do vídeo original, o objeto foi observado por duas testemunhas que descreveram ter experimentando uma sensação de vibração estranha no ar em torno delas, uma vez que teria passado em cima.

Enquanto inegavelmente impressionante do ponto de vista técnico, o filme é quase certamente um embuste criado usando computação gráfica ou com algum tipo de um modelo pequeno.

O vídeo já conseguiu acumular centenas de milhares de visualizações nas mídias sociais.



Fonte: Arquivo UFO

sábado, 4 de julho de 2015

Os próximos filmes da Marvel no cinema


Presidente da Marvel anuncia a data de início das filmagens de Homem-Aranha, Thor 3 e Doutor Estranho.

Nada pode parar a Marvel Studios. O presidente do estúdio, Kevin Feige, concedeu uma entrevista ao site Collider onde falou sobre o calendário de filmagens para os próximos projetos da companhia. 


"Nós literalmente acabamos de passar da metade da produção de Capitão América: Guerra Civil na semana passada. É nosso dia 42 ou 43 de um total de 80 dias. Nós vamos começar a filmar Doutor Estranho em Londres em novembro. Nós vamos começar a rodar Guardiões da Galáxia Vol. 2 em fevereiro ou março de 2016. Nós vamos começar a filmar Thor: Ragnarok e Homem-Aranha na mesma época, por volta de junho do ano que vem", revelou o manda-chuva da Marvel Studios durante uma entrevista para falar sobre Homem-Formiga, próximo filme do estúdio.
A Marvel irá produzir o filme que irá reiniciar a franquia Homem-Aranha em conjunto com a Sony Pictures, estúdio que detém os direitos de adaptação da saga do herói para os cinemas. O filme, que pode se chamar Homem-Aranha: O Novo Vingador, terá Tom Holland como Peter Parker e a direção de Jon Watts. 
A partir de 2017, a Marvel irá lançar três filmes por ano até 2019, o que marca um novo avanço do estúdio que já faturou US$ 8,531 bilhões com os 11 filmes de seu universo cinematográfico.
Confira o calendário de estreias da Marvel abaixo.
  • Homem-Formiga - 16 de julho de 2015
  • Capitão América: Guerra Civil - 5 de maio de 2016
  • Doutor Estranho - 5 de novembro de 2016
  • Guardiões da Galáxia Vol. 2 - 4 de maio de 2017
  • Reboot de Homem-Aranha - 27 de julho de 2017
  • Thor: Ragnarok - 2 de novembro de 2017
  • Vingadores: Guerra Infinita - Parte 1 - 3 de maio de 2018
  • Pantera Negra - 5 de julho de 2018
  • Capitã Marvel - 1º de novembro de 2018
  • Vingadores: Guerra Infinita - Parte 2 - 2 de maio de 2019
  • Inumanos - 12 de julho de 2019

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Cartões de Memória - O que você precisa saber

SD, miniSD, microSD, xD, Memory Stick e MMC. Esses são apenas alguns dos tipos de cartão de memória que você pode encontrar por aí no dia a dia. A quantidade de formatos é imensa e, por conta disso, é natural que você fique na dúvida na hora de adquirir um modelo para uso cotidiano.

Antes da compra de um modelo, diversos fatores devem ser levados em consideração. Desde o aparelho que você utiliza até a finalidade de armazenamento, cada item deve ser analisado com cuidado para que você possa ter a melhor experiência possível com o equipamento que você tem em mãos.

Entenda como os cartões funcionam

Diferente do que acontece nos discos rígidos, em que o processo de gravação de informações é mecânico, os cartões utilizam a chamada memória flash. Também conhecida como armazenamento sólido, esse tipo de técnica de gravação e leitura acaba gerando equipamentos mais resistentes a impactos, mais velozes na transferência de dados e com maior durabilidade.

O procedimento de gravação e leitura é bastante simples. O sistema conta com dois transistores separados por uma fina camada de óxido de silício. Um dos lados funciona como uma porta de controle, ativando as células da memória e fazendo a leitura de dados. Já o outro é uma espécie de porta flutuante, armazenando as informações.

A corrente elétrica passa de um lado para outro e uma tensão aplicada na porta de controle puxa os elétrons para a porta flutuante. Esse processo todo é bastante durável: estima-se que um dispositivo possa ser regravado pelo menos 100 mil vezes – o que, convenhamos, é uma marca que você deve demorar um bom tempo para atingir.


Principais tipos de cartão

Infelizmente, a padronização de formatos não é uma das características desse segmento de mercado. Por conta disso, como você pode perceber na tabela acima, existem dezenas de tipos de cartão de memória. Cada um deles tem tamanho diferenciado e características específicas de velocidade de transferência de dados e capacidade de gravação.
 
Secure Digital (SD)

Um dos formatos mais conhecidos dos consumidores, os SD acabaram se destacando por estarem presentes em tablets, smartphones e câmeras digitais de mais de 400 marcas. Embora existam mais tipos, eles estão disponíveis basicamente em três formatos, sendo que os menores são compatíveis com os slots maiores por meio de adaptador.

Se a questão do tamanho entre o SD (32 mm x 24 mm), o miniSD (21,5 mm x 20 mm) e o microSD (15 mm x 11 mm) é fácil de ser percebida, outros itens importantes também devem ser levados em consideração antes da compra: os dois principais são espaço de armazenamento e velocidade de gravação.
 

Espaço de armazenamento

Basicamente, há três tipos de definição entre os cartões SD: o modelo-padrão, conhecido como SD Standard, alcança apenas 2 GB de armazenamento. Já o SDHC (siga para Secure Digital High Capacity) consegue armazenar até 32 GB de conteúdo. Por fim, o SDXC, padrão mais recente entre os cartões, já pode ser encontrado em versões de até 256 GB.


Cuidado! Nem todo cartão de memória é legítimo ou serve para seus propósitos. Além da capacidade em Gb ( 16Gb, 32Gb, 64Gb ) também é importante verificar a velocidade do cartão. Para o uso em câmeras fotográficas e filmadoras modernas que filmam em FullHD, um cartão precisa ser veloz o suficiente para conseguir escrever os dados na velocidade exigida.
Velocidade de gravação

Este é um dos itens em que os consumidores menos prestam atenção, mas, se você pretende fazer um uso profissional do seu cartão, é de extrema importância ficar ligado a ele. A indicação de velocidade de leitura de um cartão é mensurada por classes. Existem cinco padrões de velocidade e cada um deles diz respeito a um uso ideal.

  • Classe 2: atinge velocidades mínima de 2 Mb/s e é ideal para gravação de vídeos em definições-padrão. Se a qualidade final da imagem não é um problema para você, essa solução mais barata pode suprir as suas necessidades.
  • Classe 4: atinge velocidade mínima de 4 Mb/s e é o modelo mais indicado para gravação de vídeos em HD (resolução de 720p).
  • Classe 6: atinge a velocidade mínima de 6 Mb/s e também é indicado para a gravação de vídeos em HD. O ganho real em relação à Classe 4 é pequeno, mas na prática a versão garante um pouco mais de segurança para o usuário.
  • Classe 10: atinge a velocidade mínima de 10 Mb/s, sendo o formato mais apropriado para vídeos em Full HD (1080p).
  • UHS Speed Class 1: atinge a velocidade mínima de 10 Mb/s, mas seu uso é mais restrito. Ideal para quem pretende gravar vídeos de longa duração ou pretende fazer transmissões em tempo real.
Mas preste atenção: antes de escolher o cartão com mais espaço e maior velocidade de gravação, é preciso ficar de olho no equipamento que vai recebê-lo. É comum, por exemplo, que um aparelho não seja compatível com as classes mais altas ou com os modelos de maior espaço de armazenamento. Por conta disso, preste atenção às instruções do fabricante.
 
Da mesma forma, alguns aparelhos indicam requisitos mínimos com relação ao cartão de memória que vão receber. Ou seja, para não acabar comprando um produto e inutilizá-lo depois, siga as orientações do manual de instruções.
 

CompactFlash (CF)

Subdivididos em tipo 1 e tipo 2, os CompactFlash são fabricados pela SanDisk e podem armazenar até 256 GB de conteúdo. Você pode identificar a diferença entre eles pelo tamanho: o tipo 1 é mais fino, com 3,3 mm de espessura. Já o tipo 2 tem espessura de 5 mm e, por conta disso, não é compatível com os slots do tipo 1.




Uma das grandes dificuldades é que mesmo em produtos originais da Sandisk, vendidos em blisters lacrados, não vem escrito qual a classe do cartão, dificultando ao comprador. Muito cuidado, portanto.

Além do formato, você deve prestar atenção às mesmas duas características: capacidade de armazenamento e velocidade de gravação. No primeiro caso, basta ficar atento ao número mesmo – tanto do conteúdo do cartão quanto do limite suportado pelo seu aparelho.

Já a velocidade de gravação é apresentada de outra forma. Você precisa ficar atento à especificação numérica seguida da letra “X”, sendo que “1x” equivale a 150 Kb. Desse modo, você pode encontrar modelos com a indicação “2x”, “4x”, 8x”, e assim por diante. Quanto maior o número, maior será a velocidade de gravação e, consequentemente, melhor será a qualidade final.
 

Memory Stick e outros formatos
Além desses dois formatos, que podem ser considerados os principais, o mercado de cartões de memória ainda conta com outros tipos, alguns exclusivos de fabricantes específicos. A Sony, por exemplo, utiliza o formato Memory Stick em muitos dos seus produtos.

 
A quantidade de modelos é maior e os tamanhos são variados. Mas, para facilitar as coisas, você deve ficar de olho em duas nomenclaturas básicas: quando você ler em um cartão o termo “PRO”, trata-se de um cartão com maior quantidade de armazenamento. Já quando você ler o termo “Duo”, trata-se de um cartão com tamanho menor.

Outros formatos conhecidos dos consumidores, mas já caindo em desuso, incluem ainda o SmartMedia, da Toshiba, e o xD Picture Card. O primeiro não está sendo mais utilizado pela sua baixa capacidade de armazenamento – uma vez que chega a apenas 128 MB de espaço. Já o segundo, criado pela Fujifilm em parceria com a Olympus, perdeu seu espaço.

Os cartões do formato xD continuam sendo fabricados, mas as próprias empresas deixaram de fabricar aparelhos compatíveis única e exclusivamente com esse formato. Ou seja, a “morte” do formato é hoje uma questão de tempo.

Aqui está uma pequena tabela das velocidades e suas recomendações:

  • Classe 2 – 2MB/s Celulares, câmeras até 12MP e filmadoras comuns
  • Classe 4 – 4MB/s Câmeras maiores de 12MP e vídeo HD
  • Classe 6 – 6MB/s Câmeras maiores de 12MP e vídeo Full HD
  • Classe 10 – 10MB/s Câmeras profissionais e vídeo HD ou Full HD com câmera lenta
Fonte: Tecmundo e Crato

quarta-feira, 13 de maio de 2015

O assustador futuro da raça humana

"Futuro é assustador e ruim para as pessoas", diz Wozniak sobre inteligência artificial.

Foto Montagem:Rony
O grupo de visionários da tecnologia que acreditam que a inteligência artificial pode representar um sério risco para a humanidade acaba de ganhar mais um membro: Steve Wozniak, cofundador da Apple e um dos responsáveis pela revolução do computador pessoal.

Wozniak, que anteriormente negava essa possibilidade, diz ter mudado de ideia sobre os riscos do desenvolvimento de máquinas super inteligentes. "Como pessoas incluindo [o físico] Stephen Hawking e [o cofundador da Tesla Motors] Elon Musk previram, eu concordo que o futuro é assustador e muito ruim para as pessoas", disse o engenheiro em entrevista ao jornal Australian Financial Review. "Se nós construirmos esses aparelhos para tomar conta de tudo, eventualmente eles pensarão mais rapidamente que nós e se livrarão dos humanos lentos para dirigir empresas de forma mais eficiente."

A grande preocupação desse grupo de futuristas, que inclui ainda Bill Gates e um crescente número de acadêmicos, é que estejamos nos aproximando de um nível de aceleração na capacidade das máquinas que possa fugir de nosso controle. Nesse caso, os computadores poderiam começar a trabalhar não de acordo com as instruções dos humanos que os criaram, mas com outros objetivos.

"Computadores vão assumir o lugar dos humanos, não há duvidas", diz Wozniak. "Espero que isso aconteça, e deveríamos perseguir esse objetivo, pois é uma questão de avanço científico. Mas, no fim, nós podemos criar uma espécie que estará acima de nós."

Fonte: Washington Post