domingo, 10 de agosto de 2014

Como evitar os Spams enviados pelas Operadoras

Em junho de 2012, a Anatel determinou que as operadoras de telefonia móvel enviassem mensagens nas quais o cliente poderia manifestar o desejo de não receber mais SMS de cunho publicitário da prestadora. As principais operadoras do país até atenderam a solicitação, disponibilizando números de cancelamento. Entretanto, seis meses após a medida da Anatel, o sistema de cancelamento de publicidade das operadoras não está funcionando como deveria. Mesmo depois de solicitar o cancelamento, muitos clientes continuam recebendo as mensagens publicitárias.

Como cancelar

Para solicitar o cancelamento dessas mensagens, é necessário enviar a palavra SAIR para um número que varia de operadora para operadora: Claro (888), Oi (55555), TIM (4112) e Vivo (457). Após alguns segundos, a prestadora enviará uma mensagem automática confirmando o cancelamento e dizendo que as publicidades não serão mais enviadas. Porém, como vimos acima, esses canais nem sempre funcionam.
Quem continuar recebendo as mensagens deve ir para o segundo passo: entrar em contato diretamente com a operadora para solicitar o cancelamento. Independentemente do canal de atendimento (telefone, chat ou email), o importante é anotar o número do protocolo. Os telefones de atendimento das principais operadoras são: 1052 (Claro), 1056 (TIM), 1057 (Oi) e 1058 (Vivo).
Em último caso, o jeito é partir para Anatel. Para registrar uma reclamação, é necessário ter em mãos o número do protocolo e fazer um cadastro no sistema de ouvidoria da Anatel. Clique no link “Reclamação contra prestadora”, leia o termo de responsabilidade e cadastre uma solicitação. Na opção Serviço, escolha “Móvel Pessoal”. Descreva o problema e, se achar conveniente, envie uma screenshot com os spams recebidos. A operadora normalmente entra em contato por telefone no quinto dia útil após a reclamação na Anatel.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Google Chrome: o devorador de energia

Google Chrome aumenta em 25% o gasto de energia em laptops com Windows
Se você usa o Google Chrome no seu laptop com sistema operacional Windows, independentemente da versão, pode estar gastando uma quantidade muito superior de energia sem ter percebido. O bug relatado pela Forbes reduz drasticamente a vida da bateria e pode deixar o computador mais lento.

O tal bug está relacionado com o chamado “system clock tick rate”, ou o tempo de atualização do clock do navegador e do sistema operacional que estão em descompasso.

Parece complicado, mas traduzindo para a "linguagem de seres humanos", é o seguinte: no Windows, os eventos são programados para serem executados com um determinado intervalo de tempo e, para economizar energia, o processador “dorme” e acorda nesses intervalos pré-definidos. No Chrome instalado no Windows, esse intervalo não "bate" com os do sistema operacional.e o processador precisa "acordar" mais vezes dentro de um mesmo período.

Em outros navegadores, a taxa pode até chegar nesse mesmo nível do Chrome quando estão rodando aplicações mais pesadas como, por exemplo, um vídeo no YouTube. Mas eles voltam ao normal após fechar a aba. No caso do Chrome isso não ocorre e a taxa é sempre a mesma, mesmo se você deixar o navegador aberto em um site que não exigiria esse consumo de energia.

Muitas pessoas deixam o navegador aberto o tempo todo e isso pode estar causando este consumo excessivo de energia. O colaborador da Forbes fez um teste com um PC desktop. Segundo ele, o consumo de energia era de 15 a 20 Watts com o Chrome rodando e ficou entre 12 e 15 Watts com o navegador fechado. Pode parecer uma pouco, mas no laptop esses valores fazem bastante diferença na vida útil da bateria.

Outro destaque é que o problema não acontece em máquinas Macs ou Linux, que usam um sistema de “timers tickless”. O consumo excessivo também não acontece com outros navegadores como o Internet Explorer e o Firefox, sendo um mal resultante da união exata entre Chrome e Windows.

O problema, além do gasto de energia, é que o Google não parece muito preocupado em resolver o problema. O primeiro relatório apontando o bug é datado de 2010 e quatro anos depois, nenhuma mudança foi feita.

Segundo a Forbes, uma solução é que mais usuários do Chrome questionem o problema para que a empresa tenha mais pressa em solucioná-lo. Outra possibilidade seria substituir o Chrome por navegadores que não apresentam essa alta taxa de inicialização, como o Internet Explorer e o Firefox. No entanto, poucos usuários podem estar dispostos a perder a praticidade oferecida pelo navegador do Google, que é o segundo mais usado no mundo.


Fonte: Canaltech

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Brasil x Alemanha: The Day After

É, Brasil.......Neste fatídico dia  08 de Julho de 2014, você mostrou a sua cara.....
E como diz a letra da música muito bem cantada por Gal Gosta, quero ver quem paga pro povo ficar assim...desconsolado, abatido, frustrado, atônito...
O engraçado disto tudo é que recentemente, postei no Facebook a informação que a Seleção (seleção de que?) iria perder nesta semi-final. Enfrentar a Alemanha não seria mais uma pedreira; seria uma montanha.
Mas bem ou mal todo mundo consegue escalar um pouquinho de qualquer montanha...ou toda ela. É o objetivo, né?
Mas a Seleção nem saiu da base, nem deu o primeiro passo, tentou e tropeçou.
O problema não foi perder pra Alemanha. Jogaram bem. Tem tradição no futebol. Sempre foram táticos e técnicos. É uma seleção Tri-Campeã, não se pode esquecer disso...
Nada de lamúrias, mesmo porque todos os jornais, não só brasileiros, mas de todo o mundo, estarão servindo decepção como prato principal aos montes. O que fazer então?
Pensem no lado bom disso tudo. É, teve sim.
Imaginem se o adversário fosse:
1-O Uruguai: "O Fantasma voltou!" perderam em casa de novo!São fregueses nossos!..e por aí vai...
2-A Argentina: o video do comercial "poltrona Maradona" do Youtube, soaria como uma luva de pelica em nossa cara, quando ele fala: "Nosotros somos los mejores del mundo"; e outras provocações...
3-Se fosse a Final: independente da seleção, imaginem perder a final em casa. 1950 voltaria como um fantasma, não por conta do Uruguai, mas por atestarmos que não somos competentes pra ganhar uma copa em nossa casa. Nisso a França ri de orelha a orelha. Duas na história seria dose. Ainda bem que não foi uma final.
4-Perdemos pra Alemanha: Se servir de consolo, é uma gigante no futebol, por isso mesmo é tri-campeã. pior seria perder pra um Camarões da vida....
Então, o que fica apenas como mácula é esse vexame de levar de 7....para alguem que se vangloria de "Pentacampeão" teria que sustentar mais esse titulo com hombridade, não com Orgulho besta. E é exatamente o que o povo brasileiro é: um povo besta e masoquista, que adora levar na cara e na b...o tempo todo, e ainda culpa os politicos, quando na verdade, somos todos piores que eles...porque nós os elegemos.
Esse gigante ainda não acordou. Quem sabe quando aprender a reconhecer que tem errado sempre, e que precisa se erguer com humildade sem perder a nobreza. Porque enquanto o Orgulho, a Hipocrisia, a Ganância, a Imoralidade e o Desrespeito imperarem por aqui, será isso que essse povo encontrará: derrotas e mais derrotas.
Enquanto isso, deixemos que o silêncio imposto pelo vexame de hoje sirva ao menos de reflexão para melhores dias no futuro. E encarar as milhares de piadas contra nós que certemente rechearão as páginas da mídia.. Porque no fundo, todos merecemos...

terça-feira, 8 de julho de 2014

O fim do Orkut

Fim da linha: Orkut será descontinuado até o fim de 2014, diz jornal

O que parece ter sido evitado há anos pode finalmente acontecer. De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, o Google deu o ultimato para o Orkut e vai encerrar o serviço de vez até o fim de 2014.
A publicação afirma que a empresa não vai mais permitir a criação de novos perfis a partir desta segunda-feira (30), quando se iniciam os últimos seis meses de vida da plataforma. Todos os dados dos usuários (fotos, vídeos, contatos e scraps) poderão ser exportados para a outra rede social da gigante das buscas, o Google+, através de uma ferramenta que também poderá converter o perfil do Orkut em perfil do Google+.
O que parece ter sido evitado há anos pode finalmente acontecer. De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, o Google deu o ultimato para o Orkut e vai encerrar o serviço de vez até o fim de 2014.
A publicação afirma que a empresa não vai mais permitir a criação de novos perfis a partir desta segunda-feira (30), quando se iniciam os últimos seis meses de vida da plataforma. Todos os dados dos usuários (fotos, vídeos, contatos e scraps) poderão ser exportados para a outra rede social da gigante das buscas, o Google+, através de uma ferramenta que também poderá converter o perfil do Orkut em perfil do Google+.
Além disso, o endereço "orkut.com" também deve deixar de existir após o dia 31 de dezembro, pois o criador da rede, o engenheiro turco Orkut Büyükkökten, deixou o Google há quatro meses e pretende manter controle sobre o domínio.
Mesmo com a possível desativação definitiva, algumas funcionalidades do Orkut continuarão no ar. É o caso das comunidades, que não terá mais opções de interação entre internautas, mas ficará mantida de forma "congelada" como uma espécie de museu do serviço. Quem utilizava o Orkut em seus anos de glória sabe que as comunidades eram o grande atrativo do site e chegaram a "reviver" recentemente com a criação de diversos eventos fakes no principal concorrente, o Facebook.
A Folha ainda revela que os dados mantidos no Orkut continuarão ativos até o final do ano para não interromper a investigação de usuários suspeitos na participação de crimes digitais, sendo a pedofilia o mais identificado. Em 2008 o Google e o Ministério Público firmaram um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) sobre o tema como resultado da CPI da Pedofilia, no qual ficou decidido que a companhia de Mountain View preservaria dados necessários às investigações do crime por um prazo de 180 dias (prorrogável por mais 180 dias).
Canaltech apurou a informação que diz respeito à criação de novos perfis no Orkut e, até o fechamento desta matéria, não enfrentou problemas para se cadastrar no site.
Orkut
Página do Orkut ainda permite criação de perfil (Foto: Reprodução)
Também tentamos acessar perfis mais antigos na rede social e eles continuam ativos. Não há nenhum lembrete ou indicativo da suposta ferramenta que fará a migração de perfil para o Google+ – a não ser a recomendação de amigos que já utilizam a plataforma (ali no canto direito da imagem abaixo) e de algumas notícias mais populares no G+ (ao centro).
Orkut
Home do Orkut ainda não oferece ferramenta de migração para o Google+ (Foto: Reprodução)

História

Criado em janeiro de 2004, o Orkut se tornou uma das primeiras redes sociais de maior sucesso do mundo, juntamente com o MySpace, que surgiu em agosto de 2003. Na época, só era possível entrar no site com um convite de alguém que já estava cadastrado e ainda seria preciso aguardar aprovação do Google para começar a usar o serviço. A medida fez com que a rede logo se difundisse entre os internautas, especialmente quando ganhou uma versão em português, em abril de 2005.
Uma das características mais icônicas do Orkut foram os scraps, que nada mais eram do que as mensagens enviadas de outros usuários para você. À época, ainda não existia uma superexposição na web por parte de algumas pessoas, ou seja, sempre que alguém quisesse falar com você era necessário entrar no seu perfil e mandar um recado em uma seção de scraps, que não era exibida direto no perfil – ao contrário do que acontece no mural do Facebook.
Foi logo no início que surgiram frases como "só add com scrap" e "respondo e apago", uma menção a usuários mais seletivos. Houve também um episódio que ficou mundialmente conhecido, em 2006, quando a banda U2 realizou um mega show no Brasil. A usuária Katilce Miranda, que esteve no show, recebeu mais de 4 milhões de scraps em apenas onze dias após subir ao palco e ganhar um selinho do vocalista Bono. Ela foi uma das primeiras webcelebridades brasileiras.
Além dos scraps, as comunidades foram outra sensação do Orkut. Nelas era possível criar tópicos de discussão e interagir com outras pessoas – quem não se lembra dos "jogos do add", "beija ou passa?" e tantas outras brincadeiras? A diferença é que muitos desses "espaços" ganhavam seguidores apenas pelo título, como "Eu Odeio Acordar Cedo" e "Grávida de Luis Carlos Prestes". Mais do que apenas divertir, as comunidades também serviram como grandes fóruns online que incluíam seriados, filmes e programas de TV para baixar (mesmo que ilegalmente), além de ajudar grupos na formação de caravanas para ir a shows.
O perfil do Orkut ainda tinha alguns elementos que marcaram época. Entre eles estava uma espécie de raking que permitia a outras pessoas classificá-lo como "confiável", "legal" e "sexy". Os depoimentos também fizeram história na rede social e funcionavam como o que são hoje as recomendações do LinkedIn, só que de uma forma bem mais exagerada.

Declínio

Em julho de 2008, o Orkut alcançou a marca de 40 milhões de brasileiros cadastrados, tornando-se o maior público do serviço. Isso fez com que o Google passasse o controle mundial da plataforma para a divisão do Google Brasil, que administra o site até hoje. E mesmo com a implementação de outras ferramentas – mensagens privadas, sorte do dia, GIFs, visitantes recentes, Buddy Poke –, a página sucumbiu ao crescimento de outras páginas e hoje vive como uma "cidade fantasma".
O site até apresentou um visual diferente do original em março de 2011, mas não foi suficiente. A surpresa foi maior ainda quando foi constatado que o blog oficial do Orkut parou de receber atualizações desde outubro do ano seguinte e, em maio de 2013, a rede perdeu 95,6% do número de acessos fixos no Brasil em três anos, enquanto o rival Facebook fechou o mesmo período com 66,54% de visitas no país. Em dezembro do mesmo ano, o site caiu dos 40 milhões para apenas 6 milhões de usuários ativos mensalmente.
Fonte: Canaltech

sábado, 5 de julho de 2014

Os perigos da automedicação

De forma geral: A automedicação pode retardar o tratamento de uma doença, ou pode aindamascarar os sintomas de uma mais grave, atrapalhando o diagnóstico, acompanhamento e tratamento. Também acontece do medicamento resultar em inúmeros efeitos colateraiscausar outras doenças mais graves do que a que você está tentando tratar, ou simplesmente não surtir efeito algum. Você pode descompensar uma doença crônica, como diabetes ou hipertensão ao usar remédios sem orientação médica. Pode fazer com que a doença, que a princípio iria embora sozinha, evolua para um quadro bem mais grave. Alguns medicamentos podem fazer com que você engravide sem querer, ou que dê à luz  uma criança cheia de problemas ou aborte. Por fim, o uso inadequado deles pode simplesmente fazer com que percam o efeito, já que as doenças se adaptam.
Muito bem, mas aposto que a grande maioria de vocês já tem uma boa noção disso. É exatamente esse o problema de todo texto que vejo sobre o assunto. Diante de uma abordagem mais abrangente, as pessoas pensam que o assunto não se refere àqueles “remedinhos inocentes” recomendados pela avó, balconista de farmácia, amigo ou que viu na internet.

Para evitar isso, tentarei ser bem específico falando sobre o que mais vejo VOCÊS aprontarem por aí.

Remédio para tosse

A pessoa está resfriada, com febre, dor no corpo, tossindo muito, incomodada, realmente sofrendo com aquela situação, e resolve procurar o pronto-socorro. Então o médico prescreve um anti-inflamatório, analgésico, antitérmico e recomenda muita hidratação. Ao sair do consultório, a criatura pensa: “- E a minha tosse? Esse médico não sabe nada!”
Passa na farmácia, e o balconista receita um remédio que inibe a tosse. O alívio é quase imediato, e aí é que desacredita mesmo no médico. O que ela e o balconista não sabem é que a tosse é um mecanismo de defesa, que visa expelir a secreção e corpos estranhos das vias respiratórias. O simples fato de ter tomado esse medicamento, vai fazer com que ela acumule secreção (catarro) nos pulmões, facilitando o desenvolvimento de uma pneumonia.
Entendam que geralmente não se recomenda remédio pra tosse quando o quadro é infeccioso. São mais indicados quando a tosse é causada por certas alergias, refluxo gastresofágico, reações a outros medicamentos, etc.

Expectorantes

Aqui não é lugar de se consultar!
 A grande maioria deles não surte lá grande efeito. Diria que a maioria dos médicos prescreve tais medicamentos para satisfazer os pacientes que, em geral, não se conformam em ficar sem tomar “um xarope”. Não está errado usá-los com orientação médica, mas por conta própria, podem sim te prejudicar. Se você estiver com uma pneumonia, por exemplo, ficar tentando se tratar com expectorante vai retardar o diagnóstico e piorar o quadro. Vale ainda mencionar que muitos contêm açúcar, que descompensa a diabetes.
O grande expectorante que existe no mundo se chama água. Se a pessoa se mantiver bem hidratada e umidificar o ambiente, facilitará a eliminação de secreções e proporcionará alívio da tosse. Se o médico não prescreveu, não use. Tenha bom senso.

Analgésicos e antitérmicos 

Os mais comuns são à base de paracetamol (Exemplo: Tylenol®) e dipirona (Ex.: Novalgina®, Dorflex®). Antes de usá-los, procure seu médico para saber o porquê da dor e da febre, que com certeza tem uma causa. Já comentamos aqui o risco de adiar a procura pelo médico.
Outro ponto importante se refere à toxidade, no caso do paracetamol. Dentre os medicamentos comuns, vendidos sem receita, ele é um dos que mais agride o fígado. Se a pessoa não é alérgica ou não apresenta reações adversas ao uso da dipirona, é bem melhor optar por ela, que além de oferecer menos riscos, faz mais efeito.

Anti-inflamatórios não hormonais

Medicamentos muito utilizados e que, talvez, sejam os maiores vilões. Se usados com cautela e SEMPRE de acordo com a indicação médica, são ótimos medicamentos, mas podem ser desastrosos nas mãos dos leigos. São vários, dentre os mais comuns o AAS (Exemplo: Engov® e Aspirina®), diclofenaco (Ex.:Cataflan®, Voltarem®, Tandrilax®), nimesulida (Scaflam®), tenoxicam (Ex.: Tilatil®), cetoprofeno(Ex.: Profenid®), e o ibuprofeno (Ex.: Algiflex®, Doraliv®).
Eles agridem muito o estômago e esôfago, provocando gastrites, úlceras, esofagites etc. Essas doenças além de poder evoluir de forma grave por si só, com dor intensa e até perfuração, são as precursoras da maioria dos tipos de câncer nesses órgãos. CÂNCER! Entenderam?
Os anti-inflamatórios também agridem o fígado, podendo causar hepatites medicamentosas e até cirrose. Aí vocês imaginam o quanto é bom tomar tais medicamentos após encherem a cara de cachaça! Seu fígado e estômago choram!
 Também são os medicamentos mais tóxicos aos rins, causando insuficiência renal, cujo tratamento nada mais é que transplante renal e hemodiálise.
Também são todos contraindicados em casos suspeitos de dengue.

Anti-inflamatórios hormonais, corticoides ou corticosteroides

Como o próprio nome diz, são tipos “hormônios”. Os exemplos mais comuns são a dexametasona (Ex.:Decadron®), prednisona (Ex.: Corticorten®), prednisolona (Ex.: Predsin®) e betametasona (Ex.:Diprospan®). São utilizados no tratamento de diversas doenças como asma, algumas doenças renais e de pele, certos tipos de reumatismo, linfomas e muitas outras.
Um professor meu dizia que corticoides são tão bons, mas tão bons, que até se você tiver bom e tomar, acaba melhorando. São medicamentos milagrosos quando bem indicados, e completamente desastrosos se usados de forma errada.
Eles predispõe o surgimento de diabetes e hipertensão arterial, e pioram tais doenças se já presentes. Podem provocar grande aumento de peso, agravando ainda mais o risco de doenças cardiovasculares, como AVC e infarto agudo do miocárdio.
Se usados de forma crônica provocam desmineralização óssea, resultando em osteoporose precoce e/ou grave. Pioram os quadros de gastrite, resultam em retenção de líquidos, podem causar alterações menstruais e muitos, muitos outros problemas. A Síndrome de Cushing é a doença caracterizada pelo excesso de corticoides no organismo.
Vejam a figura:
Excesso de uso de corticoides podem te transformar nessa simpática tia velha
Tais medicamentos até poderiam ser bem mais receitados por curtos períodos para alívio de sintomas de doenças diversas, mas o risco do paciente adorar e começar a usar de forma descontrolada faz com que a maioria dos médicos tenha medo de prescrevê-los.·.
As pomadas a base de corticoide são um ótimo exemplo. A princípio, elas irão melhorar praticamente TODAS as doenças de pele. Sarna, micose, herpes, piodermite, enfim, seja lá o que for, mas quase nunca tratarão o problema. A doença geralmente se descaracteriza dificultando o diagnóstico, e às vezes até piora. As pessoas adoram usar Diprogenta®, Candicort®, etc. Nós, médicos, tempos pavor delas sem nosso consentimento.

Antiácidos 

Estão incluídos aqui os “remédios para o estômago.” São vários, como omeprazol e pantoprazol,ranitidina (Ex.: Antak®) e cimetidina, que bloqueiam a produção de ácido no estômago, e obicarbonato de sódio (Ex.: Sal de Frutas Eno), hidróxido de alumínio e magnésio (Ex.: Leite de Magnésia), que anulam o ácido já produzido.
O grande mal do primeiro grupo não são sua toxidade e nem efeitos colaterais. O grande problema é que são tão eficazes, que fazem com que as pessoas fiquem usando indefinidamente e fiquem sem qualquer sintoma. Parece um paradoxo, mas a eficácia resulta em falta de acompanhamento médico. Após anos de uso, não raro descobrem um câncer provocado por sua gastrite crônica e pela falta de tratamento do H. pylori, bactéria que vive no estômago detectável por meio da realização de endoscopia digestiva alta.
O segundo grupo, além de causar alívio e falta de acompanhamento médico, ainda podem agravar um quadro de gastrite se usados cronicamente.

Antibióticos

São uma infinidade de medicamentos que visam tratar doenças, que são aquelas causadas por microrganismos diversos que invadem o nosso corpo. São causadas por eles algumas pneumonias, infecções urinárias, erisipela, meningite e muitas outras doenças.
O precursor dos antibióticos foi a penicilina, descoberta em 1941 por Alexander Fleming. Fato que revolucionou a medicina de forma indescritível. Na minha opinião, sua descoberta foi o grande divisor de águas da medicina moderna.
 
Os antibióticos mais comuns que as pessoas, infelizmente, ainda conseguem comprar sem receita médica sãocefalexina (Ex.: Keflex®), amoxilina (Ex.: Amoxil®, Clavulin®), azitromicina (Ex.: Astro®, Clindal AZ®, Zitromax®), ciprofloxacina (Ex.: Cipro®, Proflox®), tetraciclina (Ex.: Tetrex®), penicilina G benzatina (Ex.: Benzetacil®) e sulfametoxazol-trimetropin (Ex.: Infectrin®).
O seu uso geralmente é inapropriado, primeiramente pela indicação errada, pois a grande maioria das doenças infecciosas é viral. Nesses casos, não há qualquer benefício o seu uso. Depois, pelo uso incorreto; cada antibiótico deve ser tomado em certo intervalo fixo e preciso de tempo, e por determinado número de dias. Se isso não for seguido, além de não surtir efeito, pode agravar a doença, induzindo resistência bacteriana, que vou comentar depois.
Eles também dificultam o acompanhamento e diagnóstico, pois negativam e alteram vários exames. Um hemograma ou sumário de urina podem estar normais devido ao uso dos mesmos. O médico fica sem parâmetros para avaliar a evolução, complicação ou origem de certas doenças porque as pessoas iniciaram tratamento por conta própria.
Os antibióticos podem causar praticamente todo tipo de efeitos colaterais. Por exemplo, o paciente pode estar apenas resfriado, mas o médico suspeita de dengue porque ele está sentindo náuseas, tonturas e vômitos porque começou a usar ciprofloxacina. Ou então tomou um antibiótico por causa de uma simples dor de cabeça, e começa a apresentar diarreia, porque o antibiótico desequilibrou sua flora intestinal.
Certa vez atendi uma paciente que tinha uma candidíase vaginal intratável. Não havia nada no mundo que resolvesse o problema. Após quase um ano, descobrimos que era porque ela tinha mania de usar amoxilina todo mês pra qualquer tipo de dor ou doença, o que altera a flora e o pH vaginal, predispondo a infecção por cândida.
Antibióticos podem causar quadros dermatológicos mesmo após semanas de ter seu uso interrompido. Podem ser tóxicos aos rins e ao fígado, tão ou mais que os anti-inflamatórios. Podem diminuir ou aumentar o efeito de diversos outros medicamentos que o paciente tenha que usar de forma contínua. Muitas mulheres engravidam porque usaram sem prescrição médica. Muitos deles alteram a absorção dos anticoncepcionais, diminuindo a eficácia dos mesmos.
Por último, um problema que afetará não só a criatura que usou tais medicamentos de forma inapropriada, mas a população de forma geral, é que o seu uso indiscriminado está produzindo superbactérias. Não é ficção, é fato!
Quase isso, só que pior!
Toda pessoas tem bilhões de bactérias colonizando seu corpo ou tentando invadi-lo. Elas competem entre si, resultando num equilíbrio fácil de ser quebrado. Se forem utilizados antibióticos desnecessários ou de forma errada, ao invés de matar todas as bactérias, apenas as mais fracas são mortas, fazendo com que as sobreviventes ocupem o seu lugar. Desta forma, o meio ambiente vai tendo bactérias cada vez mais fortes e resistentes. Existe ainda o fato destes microrganismos desenvolverem mutações diversas para se defender, fazendo com que aquele medicamento não tenha mais efeito sobre eles.
Atualmente já podemos colher os frutos disso; os antibióticos de antigamente já não tratam as doenças atuais. Cada vez mais teremos que usar fármacos mais potentes, em doses maiores, por períodos mais longos de tempo. Chegará um dia em que será difícil e muito caro para os laboratórios conseguirem produzir novos medicamentos que consigam combatê-las. É plausível que o mundo possa um dia acabar por causa de uma epidemia intratável que nós mesmos induzimos.

Fim de papo

Espero que, ao detalhar vários aspectos dos medicamentos mais comuns, utilizados de forma indiscriminada, tenham entendido que quando falamos dos perigos da automedicação, não estamos falando de medicamentos para câncer, AIDS ou coisas de outro mundo. Espero que ao dar nome aos bois, tenham entendido que mesmo aquele “remedinho simples que todo mundo toma” pode resultar em muitos problemas. Não tente ser médico, procure um profissional qualificado. Se depois desse texto enorme você ainda insistir em se automedicar, morreu sabendo.
Fonte: Lol, Hehehe